sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Religiosos criticam o divórcio imediato

Bem, sou o dono do Não Faço Ideia e, por convite do AsVeras, postarei aqui duas vezes por semana. Meu nome é Marcos Augusto (Vulgo, C.restranho). O meu primeiro post fala de uma coisa um pouco old, mas que vale a pena ser publicada. A lei do divórcio imediato.


                Como já é de costume, religião e lei não costumam concordar completamente. Dessa vez os religiosos, em geral, criticam a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do divórcio direto, que acelera a separação entre os casais. O período de um ano de separação formal foi retirado junto com os dois anos de vivência em residências distintas.
            Não é de se surpreender que isso tenha gerado a indignação religiosa, já que o divórcio contradiz, agora totalmente, a secular fala “Até que a morte os separe”. Agora, qualquer um, logo após receber a sentença de divórcio do seu ex-cônjuge, pode entrar com um novo pedido de casamento. O PEC do divórcio foi visto por autoridades religiosas como um incentivador da separação e como mais um ponto que banaliza a união.
Já para os autores da proposta, a medida vai propiciar novos casamentos de pessoas separadas, que, pelas regras atuais, não podem se casar em segundas núpcias até o divórcio de fato. Ainda foi dito que a PEC era como um remédio para que as pessoas possam se casar novamente e seguir felizes.


Vejo a lei como proveitosa, pois remove totalmente o desconforto e constrangimento de manter uma ligação legal com quem na verdade não se ama ou, até mesmo, vive-se brigando. É o direito de se arrepender e voltar atrás que, na verdade, todos deveriam poder usar sem ser julgados erroneamente.


Visite:

12 comentários:

  1. Assunto polêmico, e divisor de opiniões (o que é ótimo), eu vejo esta lei como uma forma de banalizar mais ainda a união matrimonial (que é um compromisso assumido perante "Deus") ela induz as pessoas a avaliarem menos ainda um passo tão importante na vida. Veja, se um caminho é difícil, sinuoso e cheio de obstáculos, claro que pensaremos muito antes de atravessá-lo, por outro lado se eu a qualquer momento de dificuldade puder desistir do caminho e procurar por outro não vou me preocupar muito com qual caminho eu tomarei. Mas isto é só mais uma faceta deste tema. Bom post. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. A religião como sempre se metendo em tudo.... por isso que o mundo nao sai do retrocesso

    ResponderExcluir
  3. Sou totalmente favorável a isso. Sob a égide das leis Divinas, o casal deve AMAR-SE e RESPEITAR-SE até que a morte os separe. Não acho que um casal viver maritalmente, para atender o desígnio divino do "até a morte os separar" seja benéfico, porque a mesma Lei Divina fala em livre arbítrio, em liberdade e acima de tudo, em FELICIDADE. Não acho que Deus se agrade de situações forçadas. O que não vem de dentro, dificilmente terá valor diante de Deus. Isso pra mim é mais um preconceito. Como tantos outros. A menos que as pessoas tenham chegado ao ponto de acharem que conseguem enganar até a Deus.

    Abração

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Na verdade, é uma ótima lei. As pessoas realmente tem que seguir quando não estão contentes com algo. A religião, sinto a quem ofender, esta sempre arrumando problemas. É assim que ela controla as pessoas.


    http://realidadelivrosesonhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu sou ateu, acredito que só os fanáticos religiosos apoiam esse tipo de coisa, pois se separar apenas após a morte e não usar metódos contraceptivos são coisas da idade média, as vezes a religião parece não saber o que é "bom senso"

    http://www.bigbangcinema.com/

    ResponderExcluir
  6. A familia é construida por Deus... e se duas pessoas se casam, devem ser realmente até que a morte os separe, porem como conhecemos as pessoas depois que passamos a viver intensamente com elas, sou de acordo procurar por uma solução.

    se me permitirem!!! www.inbarlow.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Muitos religiosos adoram esticar o sofrimento para receberem alguma graça de Deus por pena e expiar os pecados.

    ResponderExcluir
  8. Acho que deva existir o incentivo a restaurar o casamento e não acabar com ele mais rápido.

    ResponderExcluir
  9. estou seguindo o teu blog
    siga o tc www.ternoechinelo.com.br

    ResponderExcluir
  10. Sou Cristã e sou afavor da separação imediata!
    Acredito que quando duas pessoas não conseguem conviver juntas não adianta forçar, é igual colocar um rato e um gato na mesma gaiola.
    o que eu acredito é que as pessoas deveriam deixar de ser preciptadas e sair casando sem pensar direito, movidas pela paixão sem racionalidade e isso sim gera divórcios.
    abraços e retribua a visita
    http://paginazabertas.blogspot.com/
    Abraços e fique com Deus, que Jesus Cristo abençoe vocês.

    ResponderExcluir
  11. Sou totalmente a favor da separação imeditada, no mundo de hoje, cada um faz o que quer mesmo. É amor, carinho e afeto não são comprados e todo mundo já está cansado de saber disso.

    Boa sorte e espero você na retro!
    http://retrojovem.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Também sou a favor da lei.. não entendo o motivo da espera de um ano, se o casal tomou a iniciativa de pedir o divorcio é porque já estão decididos..

    ResponderExcluir

• Não deixe URLs de sites e blogs.